Coração de papelão – Donna

Sócia e gerente comercial e de marketing da Eu Amo Papelão, empresa de representação de embalagens de papelão sediada em Porto Alegre, Simone Buksztejn Menda descobriu a partir de pesquisas de mercado nos Estados Unidos e na Europa – locais onde o uso do papelão como matéria-prima é muito disseminado – que havia um nicho de mercado para brinquedos e móveis desse material.

— Brinquedos em papelão trazem diversas possibilidades no desenvolvimento cognitivo das crianças — diz Simone.

— O objetivo principal é proporcionar momentos lúdicos, divertidos, excelentes para estreitar ainda mais os laços de confiança e amor entre pais e filhos.
Para definir o tipo de produto que a empresa lançaria, Simone e o marido, Thiago Costa, ouviram a garotada da família e dos amigos. Seguindo a intuição e respeitando o gosto da criançada consultada, em setembro do ano passado surgiram os primeiros brinquedos da linha de encartelados da Eu Amo Papelão: Fazendinha, Zoológico e Aviões.

— A criança poder voltar ao momento de criar, de imaginar, poder voltar ao ponto em que ela mesma cria o brinquedo é algo mágico — explica Simone.

— Acredito que o sucesso dessa linha de brinquedos está na simplicidade e no respeito à capacidade de cada criança.

Os brinquedos da linha são vendidos em cartelas de tamanho A4. Para chegar até o produto final, a criança trabalha a motricidade fina e o lúdico, pois os pequenos pintam, montam e brincam como e quando quiserem. Depois, desmontam e guardam para usar novamente da forma que quiserem. Não é preciso usar tesoura nem cola para que a garotada possa, a cada vez, brincar da forma que quiser.

— Não é um brinquedo difícil e é tudo com encaixe – resume Simone.