As brincadeiras têm o papel fundamental para o desenvolvimento intantil

Há dias me pego pensando sobre essa era tecnologia e no quanto isso implica – ou implicará – na vida do meu filho. Hoje vejo crianças de 4, 5 anos com celulares e tablets em punho, sabendo muitas vezes mexer mais que muitos adultos por aí.

Aí lembro da minha época de criança, onde ir para a casa da minha avó para jogar vôlei até tarde na rua e pular elástico eram as grandes atrações. Claro que sei que as coisas mudaram e, tanto eu, como principalmente meu filho, devemos acompanhar a nova era.
Até porque em outros tempos eu nem estaria aqui nesse blog falando com vocês.

Aí na semana passada recebemos alguns presentes lindos da Eu Amo Papelão que me deixaram muito feliz e o melhor, ao Theo também. Foi aí que percebi que eu não estava sozinha no mundo (risos) e que alguém entendia o que eu estava falando.
Então, em um papo com minha amiga Raquel, do blog Mamãe Cria e Brinca, me dei conta que simmmm, os brinquedos certos têm um papel importantíssimo no desenvolvimento dos nossos filhos. A gente pode até pensar “ah, mas é super pequeno, nem vai entender”.

 

 

 

Vai sim.. quer ver?!
Segundo a Raquel Jaskulski, que é Terapeuta Ocupacional, um brinquedo tem um papel fundamental em uma brincadeira e é muito importante brincar com o bebê desde os primeiros dias, nas mudanças de posturas, na experimentação dos movimentos e estimulações sensoriais. A criança descobre sobre o mundo em que vive através da brincadeira. Mas ela não aprende a brincar sozinha, precisa ser ensinada.
Sabe-se também que os primeiros anos são cruciais. É um momento que impulsiona o desenvolvimento sensorial e que as crianças estão experimentando seu ambiente usando todos os seus sentidos. A partir dai os brinquedos devem ajudar a estabelecer essas bases para a criança começar a pensar e agir criativamente. Pode-se dizer que um brinquedo é o instrumento estimulante para o desenvolvimento mental, físico, emocional e social de uma criança. Ele auxilia em todos este aprendizados.

E o melhor brinquedo?
É aquele que inspira a imaginação de uma criança mais de uma maneira. Para Raquel, os bons brinquedos são aqueles que podem ser jogados uma milhão de vezes e de maneiras diferentes permitindo infinitas opções criativas. E cuidado papais: é importante permitir que elas descubram sobre os brinquedos e que vocês resistam ao impulso de mostrar “o que fazer”.

E foi isso que gostei nos brinquedos da Eu Amo Papelão, pois além de estimularem a imaginação – já que dá para a criança além de brincar, soltar o artista dentro dela e pintar e decorar de seu jeito – também proporciona momentos únicos da interação entre pais e filhos, que brincam e se divertem juntos.

 

  

 

“Brincar junto com um filho oferece uma grande oportunidade de se conectar com ele. Somos o primeiro professor para eles e muito do processo da aprendizagem acontece através de uma brincadeira. E hoje em dia é importante equilibrar os horários entre trabalhar e ter um tempo junto aos filhos. Brincando com as crianças se constrói laços duradouros, e somente através de uma brincadeira que é permitido aos pais conheçam a singularidade da criança. Eles aprenderem a se comunicar de uma forma mais eficaz e por consequência oferecem e recebem carinho. As brincadeiras em família ajudam a desenvolver fortes laços familiares, que podem durar por toda a vida. As famílias que brincam juntas são mais cooperativas, solidárias e têm uma melhor comunicação, explica Raquel.

Tá, mas e devemos fugir dos brinquedos tecnológicos?
De forma alguma! Havendo um equilíbrio é possível permitir que a criança brinque com a tecnologia. A exposição a ela não é totalmente ruim. Há pesquisas que mostram que, por exemplo, vídeogames e outras mídias podem melhorar as capacidades viso-espaciais, aumentar a capacidade de atenção, tempo de reação e a capacidade de identificar figura-fundo. O importante é apenas que os pais observem se não estão trocando abraços, beijos, conversas com seus filhos por TV, vídeogames e dispositivos de celulares e tablets.

Fonte: maezinhavaicomasoutras.com.br

Deixe uma resposta